Ambient

ETE Ribeirão Preto

A Estação de Tratamento de Esgotos Ribeirão Preto trata o esgoto doméstico de uma população de cerca de 695.000 habitantes, o que corresponde aos bairros situados na bacia do Ribeirão Preto, e dos Córregos Retiro Saudoso, Tanquinho, Laureano, Antártica, Campos e Catetos.  

O esgoto doméstico coletado na cidade é levado por gravidade, através de interceptores, até o Poço de Grossos da estação de tratamento, onde são retirados os sólidos grosseiros, os quais são e descartados em um container.

 

 

 

 

Etapa 01: Seguindo por bombeamento para o Pré-tratamento que é composto das seguintes fases:

  • Gradeamento Intermediário e Fino: Onde se remove os sólidos intermediários e finos encaminhando-os a um contêiner;
  • Desarenador e desengordurador: Nesta fase são extraídaos e separadas toda areia e gordura presentes no esgoto, através de um sistema composto de uma ponte móvel com uma bomba vertical e separadores, sendo encaminhados a um contêiner. 

 

Etapa 02: Todo resíduo retirado no Pré-tratamento é transportado para disposição final em aterro sanitário.

O esgoto isento de sólidos, areia e gordura segue o tratamento passando por diversas estruturas. No Decantador Primário ocorre a separação de sólidos sedimentáveis e dissolvidos. O lodo sedimentado é enviado aos digestores anaeróbios. 

Após, o esgoto segue para o Reator Biológico, etapa que se processa a limpeza do esgoto, através de um tratamento biológico, que consiste em ativar com aeração os microorganismos presentes no próprio esgoto, para que eles se proliferem de modo controlado e assim possam deteriorar e estabilizar a carga orgânica (impurezas), efetuando a limpeza. 

 

Etapa 03: A próxima etapa consiste em separar a massa de microorganismos, conhecido como Lodos Ativados, do esgoto tratado.

Esta separação é realizada no Decantador Secundário, onde uma parcela deste lodo retorna ao Reator Biológico para manter o controle e o equilíbrio do processo de tratamento. A outra parcela é encaminhada aos Digestores Anaeróbios. 

Nos Digestores é realizada a homogeneização e estabilização dos lodos através de um tratamento biológico anaeróbio. Após esta etapa, o lodo é desidratado dando origem a um biossólido, que poderá ser utilizado como adubo orgânico. 

No processo de digestão anaeróbia, há a produção de um biogás composto de aproximadamente 60% de metano. Esse gás é armazenado em um gasômetro de membrana, onde posteriormente é utilizado como combustível para a geração de energia elétrica consumida na própria ETE. A Ambient é a estação de tratamento de esgotos pioneira neste tipo de geração no Brasil.

O esgoto já tratado passará pela Câmara de Cloração e será clorado se existir uma epidemia na cidade. Após todo o processo de tratamento, o esgoto é então lançado no Ribeirão Preto.

Por meio deste processo, a ETE Ribeirão Preto, trata o volume de 110.000 m³/ dia, conseguindo remover 96% da carga orgânica encontradas no esgoto da cidade.